top of page
Buscar
  • Foto do escritorEditora Pendragon

Talk Show do Dragão estagiário. Entrevista com Arthus Sousa e Juliana Martins livro "Mundo Sem Fim"

Hoje a casa está cheia, pois no nosso Talk Show de hoje iremos entrevistar não um, mas DOIS autores do nosso ninho! Arthus Sousa e Juliana Martins, as mentes e as mãos por trás do livro "Mundo Sem Fim", que já está em pré-venda em nosso site!





Sejam bem-vindos e parabéns pela publicação! Estão prontos para as perguntas? Então, vamos lá!


Se a maior revolução tecnológica do universo de vocês fosse o Bluetooth, a história se chamaria "Mundo Sem Fio"?


Arthus: Eu não tenho nem roupa pra responder isso.

Juliana: (eu tô rindo, não consigo responder)


O nome da protagonista do livro é Zoe Torres. Isso significa que no tabuleiro desta trama, ela não será feita de peão?


Arthus: Com certeza. Apesar de ela não ter o tamanho que o nome sugere.

Juliana: Depende do ponto de vista, eu acho. Porque a gata trabalha igual um peão no começo. A torre só ficou no nome mesmo.


Vocês diriam que a história de vocês é mais avançada que certos autores que vivem dizendo que o "Inverno está chegando", enquanto na história de vocês o inverno já chegou e já se foi?


Arthus: Sim. Claro que sim. Pra que ficar ameaçando? Pra que seis livros só pra mudar de estação?

Juliana: Não vale! Ele dá as melhores respostas e aí eu não sei como responder hahah


Essa é uma história escrita a quatro mãos. Qual dica vocês dariam para o personagem Quatro-Braços, da animação Ben 10, caso ele resolvesse escrever uma obra?


Arthus: Use duas mãos pra escrever e as outras duas pra tomar os remédios.

Juliana: Geralmente eu sou a mão que está tomando remédio.


Em clima de copa, se algum estúdio quisesse adaptar o livro de vocês como um anime onde todos os conflitos fossem resolvidos com futebol, vocês aceitariam mesmo assim?


Arthus: Desde que as bolas fossem cabeças, sim.

Juliana: Depois a sanguinária sou eu…


Me respondam: Qual personagem da história é o preferido de vocês?


Arthus: Tenho alguns. O mais querido pra mim é Zoe mesmo. Mas tenho um carinho especial pelo Velho.

Juliana: O Velho e a Juíza. Sempre. Apesar de o nome deles nem aparecer na história haha





Nos falem mais do Rainverso e do que mais podemos esperar pro futuro.


Arthus: O Rainverso é um multiverso, cheio de universos muito parecidos com o nosso. Algumas coisas deram mais certo em algumas realidades. Outras deram completamente errado. E as histórias são contadas a partir dessa perspectiva. Há histórias variadas a serem contadas. Vão desde aventuras juvenis até um horror cósmico visceral. Ou algo assim.

Juliana: Me diga uma criatura sobrenatural, qualquer criatura sobrenatural, e eu te provo que a origem dela é grega, ela está no Rainverso.


Qual a maior loucura que você pensou em colocar no livro, mas (graças ao Dragão Ancião) não entrou na versão final?


Arthus: Um cara puxando um trenó no braço. Mas eu não quero falar sobre isso.

Juliana: Hahahahah a primeira versão de Mundo Sem Fim tem muitas pérolas e está trancada a sete chaves. Mas eu escolho Ghost dizendo que a justificativa dele para ir à guerra era que "fantasmas gostam da adrenalina". Eu sou zoada até hoje por uma amiga escritora por causa dessa frase.


Você já criou um personagem inspirado em alguém de quem você não gosta e matou ele de forma cruel?


Arthus: Já. Mas ele não morreu. Ainda.

Juliana: Não aconteceu em Mundo Sem Fim, mas queria pedir desculpas pra Victoria do 1° ano por ter desintegrado ela. Tá bom que você mostrou meu trabalho pra turma toda, mas não era pra tanto…


Qual a melhor bebida para se sair de um bloqueio criativo?


Arthus: Água. Sempre.

Juliana: Espumante ou vinho barato. Eu sou uma mulher de ideias simples.


E por último mas não menos importante: Dêem um spoiler sem contexto do livro.


Arthus: The Walking Dead encontra Mad Max no Velho Oeste. Por aí.


Juliana: Um poeminha de Auden que vai fazer todo sentido quando vocês começarem a ler Mundo sem fim:


"Ele era o meu Norte, o meu Sul, o meu Leste e Oeste,

A minha semana útil e o meu domingo inerte,

O meu meio-dia, a minha meia-noite, a minha canção, a minha fala,

Achei que o amor fosse para sempre: Eu estava errado.


As estrelas não são necessárias: retirem cada uma delas;

Empacotem a lua e façam o sol desmanchar;

Esvaziem o oceano e varram as florestas;

Pois nada no momento pode algum bem causar."


W. H. Auden, in 'Another Time'.



Arthus Souza e Juliana Martins_ Autores Pendragon

Link para adquirir a obra

28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page